sexta-feira, 28 de agosto de 2009

1,2,3...40 semanas!

Gestação (Francis de Oliveira)Gestamos as palavras crescemos
nos gestos podados na relva umedecida
de nossa pele açoitada.
Silenciamos nossos sentimentos
sob o chicote das palavras
marcando nossos ombros estreitos.
Crescemos assim, infestados
de traças, trapaças, mazelas.
Gestamos dentro de nós
a força única da palavra
que embora não dita
há de vigorar.


sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Zélia Duncan

Todos os verbos

Errar é útil
Sofrer é chato
Chorar é triste
Sorrir é rápido
Não ver é fácil
Trair é tátil
Olhar é móvel
Falar é mágico
Calar é tático
Desfazer é árduo
Esperar é sábio
Refazer é ótimo
Amar é profundo
E nele sempre cabem de vez
Todos os verbos do mundo
Abraçar é quente
Beijar é chama
Pensar é ser humano
Fantasiar também
Nascer é dar partida
Viver é ser alguém
Saudade é despedida
Morrer um dia vem
Mas amar é profundo
E nele sempre cabem de vez
Todos os verbos do mundo.

terça-feira, 18 de agosto de 2009



Porque eu sei que é amor
Eu não peço nada em troca
Porque eu sei que é amor
Eu não peço nenhuma prova

Mesmo que você não esteja aqui
O amor está aqui
Agora
Mesmo que você tenha que partir
O amor não há de ir
Embora

Eu sei que é pra sempre
Enquanto durar
E eu peço somente
O que eu puder dar

Porque eu sei que é amor
Sei que cada palavra importa
Porque eu sei que é amor
Sei que só há uma resposta

Mesmo sem porquê eu te trago aqui
O amor está aqui
Comigo
Mesmo sem porquê eu te levo assim
O amor está em mim
Mais vivo

Porque eu sei que é amor

sábado, 15 de agosto de 2009

Seus olhos..

Fui louco, inconseqüente, rebelde, desafiador, provocador. Minha cabeça sem escrúpulos é um liquidificador maluco. Gira, gira, gira e não sai do lugar. Acho que não estava preparado para ser adolescente tão cedo. Agora não sei o que fazer com tanta informação. É espinha demais para o meu rosto! Acho que estou com medo de enfrentar essa adolescência. Estou beijando como se fosse a primeira vez, tocando como se fosse a primeira vez. Estou tremendo como se nunca tivesse passado por cima dessa ponte antes. É, acho que voltei a ser adolescente. Voltar, nesse caso, significa crescer? Tenho medo de ser a pessoa certa no tempo errado. Tenho medo de ser a melhor das respostas e a pior das dúvidas, de ser o melhor calmante e a adrenalina mais viciante... Medo de passar pela felicidade e perguntar: quem era é ela? Ser adolescente dá trabalho. É como ter dois pitbulls atrás de você. Não é preciso ter razão para correr... Queria ter um corpo agora para dormir. Minha cabeça pesa sobre o nada. Essa paz é muito barulhenta. Minha respiração parece um ventilador... Hoje teu olhar ganhou tanta força que se desprendeu de teus olhos. Cada um para um lado... Sim, cuidarei dos seus olhos. Cuidar é pensar. Estou aqui pensando uma maneira de melhor cuidar dos seus olhos. Olho para eles tentando fazer com que eles entendam o meu toque, o meu olhar. Inútil. Eles parecem cuidar de mim. Velarão o meu sono essa noite... Dormir não é relaxar, é concentrar-se em que eu quero que habite os meus sonhos. “É você, só você que na vida vai comigo agora...” Olho novamente para seus olhos para não te perder de vista. Quero você em meus sonhos juvenis... Os seus olhos têm memória. Lembro de belos filmes de ação, suspense e mistério. O final é sempre imprevisível. Vou dormir para não apagar as lembranças mais inquietas da minha adolescência...

Entrego seus olhos logo cedo, assim que eles me acordarem...

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

A felicidade possível

Só quem está disposto a perder tem o direito de ganhar. Só o maduro é capaz da renúncia. E só quem renuncia aceita provar o gosto da verdade, seja ela qual for. O que está sempre por trás dos nossos dramas, desencontros e trambolhões existenciais é a representação simbólica ou alegórica do impulso do ser humano para o amadurecimento. A forma de amadurecer é viver. Viver é seguir impulsos até perceber, sentir, saber ou intuir a tendência de equilíbrio que está na raiz deles (impulsos). A pessoa é impelida para a aventura ou peripécia, como forma de se machucar para aprender, de cair para saber levantar-se e aprender a andar. É um determinismo biológico: para amadurecer há que viver (sofrer) as machucadelas da aventura e da peripécia existencial. A solução de toda situação de impasse só se dá quando uma das partes aceita perder ou aceita renunciar (e perder ou renunciar não é igual, mas é muito parecido; é da mesma natureza). Sem haver quem aceite perder ou renunciar, jamais haverá o encontro com a verdade de cada relação. E muitas vezes a verdade de cada relação pode estar na impossibilidade, por mais atração que exista. Como pode estar na possibilidade conflitiva, o que é sempre difícil de aceitar. Só a renúncia no tempo certo devolve as pessoas a elas mesmas e só assim elas amadurecem e se preparam para os verdadeiros encontros do amor, da vida e da morte. Só quem está disposto a perder consegue as vitórias legítimas. Amadurecer acaba por se relacionar com a renúncia, não no sentido restrito da palavra (renúncia como abandono), porém no lato (renúncia da onipotência e das formas possessivas do viver). Viver é renunciar porque viver é optar e optar é renunciar. Renunciar à onipotência e às hipóteses de felicidade completa, plenitude etc é tudo o que se aprende na vida, mas até se descobrir que a vida se constrói aos poucos, sobre os erros, sobre as renúncias, trocando o sonho e as ilusões pela construção do possível e do necessário, o ser humano muito erra e se embaraça, esbarra, agride, é agredido. Eis a felicidade possível: compreender que construir a vida é renunciar a pedaços da felicidade para não renunciar ao sonho da felicidade.



sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Lya Luft

A vida é maravilhosa, mesmo quando dolorida. Eu gostaria que na correria da época atual a gente pudesse se permitir, criar, uma pequena ilha de contemplação, de autocontemplação, de onde se pudesse ver melhor todas as coisas: com mais generosidade, mais otimismo, mais respeito, mais silêncio, mais prazer. Mais senso da própria dignidade, não importando idade, dinheiro, cor, posição, crença. Não importando nada.

Isabel Allende

A vida não é uma fotografia, em que preparamos as coisas para que fiquem bem e em seguida fixamos uma imagem para a posterioridade; é um processo sujo, desordenado, rápido, cheio de imprevistos. A única coisa certa é que tudo muda.

Jana Farias

Lascívia TrissilábicaSegunda... Sábado, domingo,
Semana inteira...
Vestido rasgado
contigo desnuda,
abraço devagar.
Retiro banhado...
Cobiça natural,
expirar emoções...
Aquele instante,
cenário perplexo, escuro...
Música..
ENTREGA!
Perceber palavras,
revelar segredos...
Falando baixinho...
Soluços... Sorrisos... Promessas.
Esquecer? Resistir? Disfarçar?
DIFÍCIL!
Sujeito prodígio, galante...
Mergulhar, deslizar, pertencer...
Intenção: permitir prazeres...
Única direção...
Afagos, carícias,
ternura - embalam, ouriçam, enroscam.
Arrastar abalos...
Tocada... Sentido
GOSTOSO! Aquece!
Amada!
Tornamos animais...
Ajuste perfeito! Sublime!
Contemplar delírios...
Centelha!
EXPLOSÃO!
Êxtase imortal!
Caminho... Estrada... Destino...


*(Desenho colorido de Jana Farias feito por Humberto)



João Guimarães Rosa

Miguelim estava chorando simples, não era medo de remédio, não era nada, era só a diferença toda das coisas da vida.

(Manuelzão e Miguelim )



Mia Couto

Não se preocupe, doutor. O meu chorar é feito à medida do lenço.



quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Osho

A vida é possível apenas através de desafios. A vida é possível apenas quando você tem ambos, bom tempo e mau tempo, quando você tem ambos, prazer e dor, quando você tem ambos, inverno e verão, dia e noite. Quando você tem ambos, tristeza e alegria, desconforto e conforto. A vida se move entre essas duas polaridades. Movendo-se entre essas duas polaridades, você aprende como ter equilíbrio. Entre essas duas coisas, você pode aprender como voar até à estrela mais distante.