terça-feira, 20 de novembro de 2007

Paralamas do Sucesso

Aonde quer que eu vá...

Olhos fechados
Prá te encontrar
Não estou ao seu lado
Mas posso sonhar
Aonde quer que eu vá
Levo você no olhar
Aonde quer que eu vá
Aonde quer que eu vá...

Não sei bem certo
Se é só ilusão
Se é você já perto
Se é intuição
E aonde quer que eu vá
Levo você no olhar
Aonde quer que eu vá
Aonde quer que eu vá...

Longe daqui
Longe de tudo
Meus sonhos vão te buscar
Volta prá mim
Vem pro meu mundo
Eu sempre vou te esperar
Lará! Larará!...

Não sei bem certo
Se é só ilusão
Se é você já perto
Se é intuição
E aonde quer que eu vá
Levo você no olhar
Aonde quer que eu vá
Aonde quer que eu vá...

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

“Prisioneiro", dize-me, quem foi que fez essa inquebrável corrente que te prende?”, perguntava Tegore.

“Fui eu”, disse o prisioneiro,

“fui eu que forjei com cuidado esta corrente”.

"O amor egoísta toma, muitas vezes, um ar desinteressado: é quando está querendo fazer ao amado alguma concessão com o fim de guardá-lo prisioneiro. Mas este é o supremo egoísmo, comprar o que é melhor duma pessoa, a sua liberdade, a sua integridade, a dignidade de pessoa autônoma ao preço de bens muito inferiores". (Thomas Merton)

Amor Próprio



domingo, 18 de novembro de 2007

Clarice Lispector

Sou composto por urgências:
minhas alegrias são intensas;
minhas tristezas, absolutas.
Me entupo de ausências, me esvazio de excessos.
Eu não caibo no estreito, eu só vivo nos extremos.
Eu caminho desequilibrado, em cima de uma linha tênue entre a lucidez e a loucura.
De ter amigos eu gosto porque preciso de ajuda pra sentir, embora quem se relacione comigo saiba que é por conta-própria e auto-risco.
O que tenho de mais obscuro, é o que me ilumina.
E a minha lucidez é que é perigosa.








quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Fabrício Carpinejar

CIÚME E CIÚMES

Ciúme mata. Ciúme ressuscita línguas mornas.
Quem não mentiu por ciúme?
Quem não falou a verdade por ciúme?
Ciúme pode aumentar o amor.
Ciúme pode arrebentar o amor.
Foi pelo ciúme que descobri que amava. Foi pelo ciúme que descobri que odiava.
O ciúme tranqüiliza. O ciúme atormenta.
Por ciúme, cometi a mais imprudente declaração. Por ciúme, cometi o pior dos vexames.
O ciúme é o agente infiltrado. Dois patrões (a virtude e o defeito), dois empregos (a paixão e o desespero), dois salários (o início e o fim).
É um cargo-fantasma. Recebe por fora. Trafica informações para a paranóia e neurose. Mantém a loucura atenta. Exerce contrabando nas calçadas de casa, soltando quinquilharias nos tapetes do corredor. Vende artigos pirateados e fornece notas fiscais falsas.
Ciúme é doentio. Mas sem ciúme não seremos normais. Longe dele, somos insensíveis. Com ele, sensíveis em excesso.
sofri de ciúme e ciúmes.

Ciúme no singular é o inteligente, o velado, o contido, ajuda a sedução. Alegria de ser reparado. Quando a namorada demonstra preocupação pela primeira vez. Ciúme para cumprimentar e desaparecer. Não permanece incomodando e tomando conta da conversa, dos programas, dos horários.
Ao insistir e cobrar explicações, deparamos com o ciúme burro, ciúmes, o que não se pia de vergonha, o descarado, o preconceituoso, que destrói a empatia.
Ciúme inteligente é próprio da fagulha, mal e mal forma uma pontada. Não chega a abrir escritório. É pessoa física. Quase um charme se não fosse uma necessidade de prestar atenção.
A mulher fareja o comportamento estranho do namorado, disposto em reuniões e desculpas despropositadas. Evita o questionário mais severo, e vai aparecendo nos lugares em que ele menos espera. O ciúme inteligente provoca o terror em quem está provocando o ciúme.
(Um homem traindo ressuscita amigos antigos porque lhe faltam álibis. De repente, encontra colegas do Ensino Fundamental, do Médio, da faculdade, do futebol, para explicar atrasos. Sua vida só será igualmente numerosa no enterro).
Se ele anda aprontando, ela não menciona nada. Não prepara chantagem e escândalo, não valoriza a fuga. Inibe as tramas ilícitas ao surgir de surpresa e mostrar confiança. Ele não terá provas de que ela desconfia.
Ciúme inteligente esconde o nervosismo. A tendência é perder a paciência e descambar para a briga sobre o-que-está-acontecendo-conosco.

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

A Mente e o Significado da Vida

"Quando você se sente bem se coloca na freqüência que quer."

Gosta de alguém


“Não gostes do amor, gosta de alguém que te ame, alguém que te espere alguém que te compreenda mesmo nos momentos de loucura; de alguém que te ajude que te guie que seja o teu apoio, a tua esperança, o teu tudo. Gosta de alguém que não te traia, que seja fiel, que sonhe contigo, que só pense em ti, que só pense no teu rosto, na tua delicadeza, no teu espírito e não no teu corpo nem nos teus bens. Gosta de alguém que te espera até o final, de alguém que seja o que tu escolheres. Gosta de alguém que sofra contigo, que ria junto de ti, que limpe as tuas lágrimas, que te abrigue quando necessário, que fique feliz com as tuas alegrias e que te dê forças depois de um fracasso. Gosta de alguém que volte pra conversar contigo depois das brigas, depois do desencontro, de alguém que caminhe junto a ti, que seja companheiro, que respeite tuas fantasias, tuas ilusões. Gosta de alguém que te ame. Não goste apenas do AMOR, goste de alguém que sinta o mesmo sentimento por ti, que goste realmente de TI!”

O Tamanho das Pessoas


"Os tamanhos variam conforme o grau de envolvimento. Ela é enorme para você, quando fala do que leu e viveu, quando trata você com carinho e respeito, quando olha nos olhos e sorri destravado. É pequena para você quando só pensa em si mesma, quando se comporta de uma maneira pouco gentil, quando fracassa justamente no momento em que teria que demonstrar o que há de mais importante entre duas pessoas: a amizade, o respeito, o carinho, o zelo e até mesmo o amor.
Uma pessoa é gigante para você quando se interessa pela sua vida, quando busca alternativas para o seu crescimento, quando sonha junto com você. É pequena quando desvia do assunto. Uma pessoa é grande quando perdoa, quando compreende, quando se coloca no lugar do outro, quando age não de acordo com o que esperam dela, mas de acordo com o que espera de si mesma. Uma pessoa é pequena quando se deixa reger por comportamentos clichês. Uma mesma pessoa pode aparentar grandeza ou miudeza dentro de um relacionamento, pode crescer ou decrescer num espaço de poucas semanas. Uma decepção pode diminuir o tamanho de um amor que parecia ser grande. Uma ausência pode aumentar o tamanho de um amor que parecia ser ínfimo. É difícil conviver com esta elasticidade: as pessoas se agigantam e se encolhem aos nossos olhos. Nosso julgamento é feito não através de centímetros e metros, mas de ações e reações, de expectativas e frustrações. Uma pessoa é única ao estender a mão, e ao recolhê-la inesperadamente, se torna mais uma. O egoísmo unifica os insignificantes. Não é a altura, nem o peso, nem os músculos que tornam uma pessoa grande... É a sua sensibilidade sem tamanho..."

quinta-feira, 1 de novembro de 2007