quarta-feira, 26 de março de 2008

Ricardo Marques
Ouçam as vozes dos livros: são outro sentido, dão outro sentido. E quando são ouvidos são mais fortes que o grito, são mais doces que o riso e mais devastadores que o tiro.

terça-feira, 25 de março de 2008

Rita Apoena
Então, quando você me beijar, vai sentir o gosto da minha escrita, pois a fim de nunca esquecê-las, eu trago todas as minhas palavras na ponta da língua.

quinta-feira, 20 de março de 2008

Hoje começa o outono brasileiro...

O outono é a estação da reflexão e do equilíbrio.
É o momento da maturidade de todos os processos iniciados na Primavera.
É hora de colher os frutos. O que não foi desenvolvido entra em processo de
eliminação e se dá então o início da reciclagem dos seres vivos.
Devemos acalmar nossas atitudes, dormir mais cedo e estar atento
ao movimento do mundo externo para o mundo interno.
É hora da avaliação profunda de nossas vidas; vemos os frutos que
temos para colher como resultado de todas as ações que executamos;
nos deparamos com a energia que gastamos com valores mais
superficiais; estamos diante da necessidade de conquistas mais internas e essenciais.
Este movimento de voltarmos a nós mesmos caracteriza a reflexão ( o reflexo
da ação ) ou da angústia.

quarta-feira, 19 de março de 2008

Ruy E. FilhoÉ muito tarde para não te amar.
Tudo o que ouço é o sopro do teu nome.
O que sinto é teu corpo, que consome -
presente, ausente - o meu corpo.

Pagano Sobrinho

O dia de amanhã ninguém usou.
Pode ser seu.

segunda-feira, 17 de março de 2008

Dave Weinbaum A lição mais importante que se pode aprender quando se vence é que se pode vencer.
“Não serás censurado por seres ignorante contra tua vontade, mas por deixar de investigar o que te torna ignorante; não por conseguires recompor teus ombros feridos, mas por rejeitar aquele que os curaria.”

quinta-feira, 13 de março de 2008

terça-feira, 11 de março de 2008

Aproveitemos


- Olha!
- O quê?
- Vai acabar...
- Eu sei.
- E, então?
- O quê?
- O que vamos fazer?
- ...
- Silêncio, o dia vai dormir...
- Aproveitemos...

segunda-feira, 10 de março de 2008

Hálito mestiço

Michel MelamedEm futuro estudo a ser publicado em conceituada revista do meio científico, será comprovada não só a existência, mas os índices alarmantes da incidência da cárie cerebral. O fenômeno, que atinge povos de todos os países, tem como uma das suas principais causas, como é de se esperar, os péssimos hábitos alimentares das populações, cultivados, principalmente, através do consumo de enlatados americanos, novelas açucaradas e toda a sorte de (conceitos) embutidos. A fim de evitar a extração do órgão sob risco de seqüelas irreversíveis, como por exemplo, o pensamento banguela, recomenda-se expressamente o uso continuo e correto do fio mental. E da escova de mentes. Vamos juntos fazer do Brasil um país de sorriso branco e preto e mulato e cafuzo e índio e... hálito mestiço!

Casa comigo

Michel MelamedCasa comigo que te faço a pessoa mais feliz do mundo.
A mais linda, a mais amada, respeitada, cuidada...
A mais bem comida e a pessoa mais namorada do mundo e a mais casada e a mais festas, viagens, jantares...
Casa comigo que te faço pessoa mais realizada profissionalmente e a mais grávida e a mais mãe e a pessoa mais as primeiras discussões.
A pessoa mais novas brigas e as discussões de sempre.
Casa comigo que te faço a pessoa mais separada do mundo.
Te faço a pessoa mais solitária com um filho pra criar do mundo.
A pessoa mais foi ao fundo do poço e dá a volta por cima de todas.
A mais reconstruiu sua vida.
A mais conheceu uma nova pessoa.
A mais se apaixonou novamente...
Casa comigo que te faço a pessoa mais.

Casa comigo que te faço a pessoa mais feliz do mundo.

sexta-feira, 7 de março de 2008

08 de março - Dia Internacional da Mulher

Martha MedeirosHoje é o Dia Internacional da Mulher, que na prática não ajuda a mudar muita coisa, mas ao menos serve para reflexões, debates e crônicas temáticas. O que valeria a pena discutir hoje? Proponho um assunto sem relevância política, mas igualmente importante: o recheio. Tudo o que temos retirado de nós, tudo o que tem sido lipoaspirado de nossas vidas. Já fomos mais silenciosas. Mas, ao ganhar o direito à voz, nos tornamos mulheres aflitas, que não se permitem um momento de quietude. Falamos, falamos, falamos compulsivamente, como se fosse contra-indicado guardar-se um pouco, como se o silêncio pudesse nos inchar. Já sofremos com mais pudor. Hoje nossas deprês são extravasadas, distribuídas, ofertadas, viram capa de revista, como se a dor fosse uma inimiga a ser despejada, como se o sofrimento fosse algo venenoso e necessitasse de expulsão, como se não valesse a pena alimentar-se dele e através dele crescer. Já fomos mães mais atentas, que geravam por mais tempo, por bem mais do que nove meses. Levávamos os filhos dentro de nossas vidas por longos anos. Hoje temos mais pressa em entregá-los para o mundo, a responsabilidade pesa, e como peso é tudo o que não queremos, acabamos por nos aliviar dos compromissos severos de toda a educação. Já fomos mais românticas. Hoje o sexo é mais importante, queima calorias, melhora a pele e não duvido que um coração vazio também ajude na hora de subir na balança. Por um lado, conquistamos tanto, e, por outro, estamos nos esvaziando, querendo tudo rápido demais e abrindo mão de aproveitar o que a vida tem de melhor: o sabor, o gosto. Calma, meninas. Amor não engorda. Discrição não engorda. Reflexão não engorda. Não é preciso se agitar tanto, correr tanto, falar tanto, brigar tanto, nada disso é exercício aeróbico, é apenas tensão. Nesse ritmo, perderemos a beleza da feminilidade e acabaremos secas não só por fora, mas por dentro também. Feliz Dia da Mulher. Que nada nos sugue, tudo nos preencha.

Dia Internacional da Mulher - 08 de março

Fabrício Carpinejar
Sou desconfiado com o Dia Internacional da Mulher. Como sou cético com o Dia dos Namorados. Nessas datas, esquecemos de pensar para convencionar gestos e gastos. É um cuidado protocolar para não magoar a corrente, a enxurrada de manifestações, os compromissos festivos. Um dia de rosa deslocada dos espinhos. E qual é o espinho? Continuar comparando a mulher com o que o homem faz ou deixa de fazer. A mulher ganhou terreno no trabalho e assume cargos antes dirigidos por homens. A mulher conduz ônibus. A mulher joga futebol. A mulher apita jogos. A mulher comenta esportes. Só falta correr na Fórmula 1? Existe o hábito machista de dizer que a mulher se emancipou ou evoluiu tendo como referência a ocupação dela em atividades ditas masculinas, que na verdade nunca foram masculinas Ser dona de uma empresa e ser dona de um estádio não aumentam a cotação da mulher. Mulher não tem cotação, porém valor. Sempre foi política mesmo quando não podia se candidatar. Não depende de uma cota para ser votada. De uma chance para ser vista. De um amor para ser compreendida. De um emprego para dizer sua opinião. A mulher é incomparável desde sempre. Mania de moldar à mulher por uma realidade masculina. E o que elas fizeram antes dos homens, não conta? E o que os homens fizeram a partir dela, não conta? Não sei, não sei, é uma chatice tremenda falar de gênero quando não somos capazes de mudar a própria rotina intelectual. Mulher tem poder, que a autoridade masculina demorará a entender. Poder e autoridade são distintos. Poder é o que se conquista naturalmente, autoridade é uma adaptação social, provisória e efêmera. Meus filhos não me procuram quando estão doentes. Procuram a mãe. A confiança que emana dela vem do cuidadoso detalhe, a sinfonia corrigida à mão, o abraço que protege e conforta. A mulher oferece a intimidade da percepção, a capacidade periférica de enxergar do lado de dentro para fora. É atenciosa com o que não oferece utilidade. O homem importa-se com o domínio, não com a intimidade. Quantas vezes já vi um homem apresentar orgulhoso sua namorada como uma roupa exclusiva e cara para provocar inveja? A mulher tem a necessidade de ser feliz, o homem parece que tem a obrigação de ser feliz. Felicidade não se herda.
Arnaldo Agria Huss A duração do tempo é difícil de entender. Ele é mutante em si mesmo. Pode ser extremamente longo ou extremamente curto, em função da ausência ou da presença de alguém.

Dez frases de Fabrício Carpinejar


“Tudo foi brincadeira, tudo será sempre uma brincadeira sádica, uma brincadeira cruel, quando apenas um dos dois estiver amando.”
***************
"O desejo é um medo que não tem cura."
***************
"Não desisto de me encontrar onde não estou."
***************
"O poema é uma mão tremendo. Seguro no poema não para aliviar o tremor, mas para ser contagiado por ele."
***************
"Antes sem modos do que seguir moda."
**************
"Agradeço meus limites. Não me suportaria infinito. Os limites são vantagens."
**************
"É mais difícil arrastar uma pessoa desmaiada, morta, tudo é bem mais pesado. É necessário que tenha vida para conseguir carregar. Assim eu penso os livros."
**************
“Uma mulher não perdoa uma única coisa no homem: que ele não ame com coragem.”
**************
“A monotonia surge no momento em que o entusiasmo se transforma em obrigação.”
*************
“É fácil ficar em casa com chuva, difícil é ficar com o sol lá fora. Ficar em casa com sol lá fora só com muito amor dentro.”

terça-feira, 4 de março de 2008

Pessoas são músicas... você já percebeu?

Autor desconhecidoElas entram na vida da gente e deixam sinais. Como a sonoridade do vento ao final da tarde. Como os ataques de guitarras e metais presentes em cada clarão da manhã.
Olhe a pessoa que está ao seu lado e você vai descobrir, olhando no fundo, que há uma melodia brilhando no disco do olhar. Procure escutar. Pessoas foram compostas para serem ouvidas, sentidas, compreendidas e interpretadas. Para tocarem nossas vidas com a mesma força do instante em que foram criadas, para tocarem suas próprias vidas com toda essa magia de serem músicas. E de poderem alçar todos os vôos, de poderem vibrar em todas as notas, de poderem cumprir, afinal, todo o sentido que a elas foi dado pelo compositor.
Pessoas são músicas. Está ouvindo? Pessoas têm que fazer sucesso. Mesmo que não estejam nas paradas. Mesmo que não toquem na rádio.

Sentimental - Los Hermanos

De tanto eu te falar você subverteu o que era um sentimento e assim fez dele razão pra se perder no abismo que é pensar e sentir...

domingo, 2 de março de 2008

Nietzsche
Mudei-me da casa dos eruditos e bati a porta ao sair. Por muito tempo a minha alma assentou-se faminta à sua mesa. Não sou como eles, treinados a buscar o conhecimento como especialistas em rachar fios de cabelo ao meio. Amo a liberdade. Amo o ar sobre a terra fresca. É melhor dormir em meio às vacas que em meio às suas etiquetas e respeitabilidades.
Martha Medeiros

A liberdade não se veste bem,

Não tem bons modos, não liga

Para o que os outros vão dizer.

Ser absolutamente livre tem

Um ônus que poucos se atrevem a pagar.