quarta-feira, 29 de abril de 2009

Ciúmes do passado - Martha Medeiros

Não há casal no mundo que não discuta o ciúme, que não vivencie o ciúme. Uns levam o assunto com tranqüilidade, sentem ciúmes civilizados, que não tumultuam a relação. E outros são atormentados por esta praga, não podem olhar para os lados que o parceiro já fica de antena ligada. Uma chateação cotidiana.

Isso é cuidar do relacionamento? Isso é prova de amor? De certo modo, sim, é um zelo, um carinho – desde que as proporções sejam razoáveis. Você não quer perder seu amor para outra pessoa, então fica de olho. Não dá pra dizer que é uma insanidade, você está apenas reafirmando a posse do que julga ser seu.

A sensatez vai pras cucuias quando o ciúme não está mais relacionado ao presente, e sim ao passado de quem você ama, um passado que não foi compartilhado, um passado que você não conhece, um passado onde você não existia, onde você não foi traído, portanto.

Mas uma garota não quer saber de sensatez quando sente uma dor profunda ao ver, por exemplo, fotos do namorado cinco anos atrás, feliz da vida ao lado de amigos e amigas que ela não conhece. Ela sente ciúme dos discos que foram comprados antes da relação começar, sente ciúmes dos presentes que foram recebidos antes, sente ciúmes de roupas que foram compradas sem a opinião dela, sente ciúmes das alegrias que foram vividas bem longe da sua presença. Como você pode acreditar quando ele diz que não consegue se imaginar sendo feliz sem você, se cinco anos atrás ele estava passando férias em Trancoso com um sorriso de orelha a orelha? Algumas pessoas não colocam os pés em lugares onde seu amor foi feliz na companhia de outros. Se ele foi feliz em Trancoso, que Trancoso arda em chamas!

Já não é ciúmes o nome disso. Já nem mesmo é amor
.



Rita Apoena

Então, quando você me beijar,
vai sentir o gosto da minha escrita,
pois a fim de nunca esquecê-las
eu trago todas as minhas palavras
na ponta da língua.



sábado, 25 de abril de 2009

Fernanda Mello

Hoje acordei inteira. Migalhas? Pedaços? Não, obrigada. Não gosto de nada que seja metade. Não gosto de meio termo. Gosto dos extremos. Gosto do frio. Gosto do quente (depende do momento.) Gosto dos dedinhos dos pés congelados ou do calor que me faz suar o cabelo. Não gosto do morno. Não gosto de temperatura-ambiente. Na verdade eu quero tudo. Ou quero nada. Por favor, nada de pouco quando o mundo é meu. Não sei sentir em doses homeopáticas. Sempre fui daquelas que falam "eu te amo" primeiro. Sempre fui daquelas que vão embora sem olhar pra trás. Sempre dei a cara à tapa. Sempre preferi o certo ao duvidoso. Quero que se alguém estiver comigo, que esteja. Mesmo que seja só naquele momento. Mesmo que mude de idéia no dia seguinte.




quarta-feira, 22 de abril de 2009

Manuel Bandeira

E a vida vai tecendo laços
Quase impossíveis de romper:
Tudo o que amamos são pedaços
Vivos do nosso próprio ser.

Osho

O amor se relaciona, mas não é relacionamento, que é algo acabado. Ele é como um rio fluindo, interminavelmente. Há flores do amor que só desabrocham após uma longa intimidade. Relacionar-se significa que estamos sempre começando, sempre tentando nos tornar conhecidos. A alegria do amor está na exploração da consciência. Quando investigamos o outro, fazemos o mesmo conosco. Aprofundando-nos no outro, nos aprofundamos em nós mesmos. Tornamo-nos espelhos para o outro e o amor torna-se meditação. Quando mais descobrimos, mais misterioso o outro se torna: o amor é uma aventura constante. Quando estamos apaixonados, a linguagem não é necessária. O amor não escraviza, não é possessivo nem exigente. Ele liberta, permitindo aos amantes voarem alto, em direção a Deus. Quando apreciamos nossa solidão, nos tornamos meditadores. Só quem é capaz de ser feliz sozinho pode contribuir com a felicidade de outro.



Charles Baudelaire

Todo homem saudável consegue ficar dois dias sem comer – sem a poesia, jamais!



terça-feira, 21 de abril de 2009

João Guimarães Rosa

Amor é futuro à vista.



José Luís Peixoto in Nenhum olhar

E, ali, a superfície inteira do céu não era senão um gesto dela; a aura do sol sobre todo o horizonte da terra não era senão um cabelo dela; os pardais na sua melodia de mil vozes não eram senão o início de um suspiro dela; a distância infinita da planície não era senão a pele suave da ponta de um dedo dela. Pensava, e os seus pensamentos pareciam-lhe mais verdadeiros do que os pensamentos, porque sabia que, nesse verão, iria visitá-la.

Manoel Bandeira in Estrela da vida inteira

Quando de longe te vi
Quando de longe te via
Gostei logo bem de ti
“Como é bonita" , eu dizia
Mas por enganar aquilo que dentro de mim senti
Que dentro de mim sentia
Pensei de mim pra mim
Que a distância que fazia me pareceres assim
Não era distância não
Pois chegou aquele dia em que te apertei a mão
Sem saber o que dizia
E vi que eras mais bonita
Porém muito mais bonita do que para o meu sossego a distância te fazia.
Quanto mais de perto
Mais bonita era o que eu dizia.
Desde então imagino que mais linda te acharia
Mais fresca
Mais desejável
Mais tudo enfim...
Se algum dia...
Dia ou noite que marcasses
Se algum dia me deixasses te ver de mais perto ainda.



“Nesta estrada, salvou-me a palavra.”



segunda-feira, 20 de abril de 2009

João Guimarães Rosa

Felicidade se acha em horinhas de descuido....

Shakespeare

Quanto mais fecho os olhos melhor vejo;
o dia todo vi coisas vulgares
mas quando durmo em sonho te revejo
pondo no escuro luzes estelares,
tu, cuja sombra faz brilhar as sombras,
como podes formar das sombras luzes
no claro dia que de luz assombras
pois tanto brilho no negror produzes?
Como podem meus olhos abençoados
assim te ver brilhar em pleno dia
quando na noite escura deslumbrados
dentro de fundo sono eu já te via?
Meu dia é noite quando estás ausente
e à noite eu vejo o sol se estás presente.


Cíntia Moscovich

Eu soube: o amor exige expressão. Ele não pode permanecer quieto, não pode, jamais, ser visto sem ser ouvido. O amor deve ecoar em bocas de prece, deve ser a nota mais alta, aquela que estilhaça e que entorna todos os líquidos.



Nélida Piñon

Meu coração sofre todas as urgências.



Marcos Freitas

Confissão

Não que eu não saiba o que sinto, o que sou, haja vista meu instinto de ser todo desejo, de não ter do amor, o medo; de não ter da consciência, o nexo; de não poupar de meu pensamento, teu sexo.Não que eu não saiba o que sinto, pra onde vou, haja vista que tenho a pretensão tamanha, de beber de tua taça, de teus sonhos; de prender pra mim, teus olhos, teus abraços; de te saber como alimento, sendo eu, neste ato de amor, réu confesso.



Maurício Segall in Poesia ao Acaso

Quantas saudades sem idade

na memória do presente.



sábado, 18 de abril de 2009

Mário Quintana in Caderno H

Entre a minha casa e a tua

Há uma ponte de estrelas.

Uma ponte de silêncios.



Machado de Assis in Dom Casmurro

Capitu era tudo e mais que tudo; não vivia nem trabalhava que não fosse pensando nela.

*********************************

A insônia, musa de olhos arregalados, não me deixou dormir uma hora ou duas; as cócegas pediam-me unhas, e eu coçava-me com alma.

Rubem Alves in Cenas de Vida

O corpo é o lugar onde moram as coisas amadas que nos foram tomadas, presença de ausências, daí a saudade, que é quando o corpo não está onde está... O poeta escreve para invocar essa coisa ausente. Toda poesia é um ato de feitiçaria cujo objetivo é tornar presente e real aquilo que está ausente e não tem realidade.