sábado, 5 de janeiro de 2008

Mesmo Assim

Karine Bighelini

Mesmo assim,
Permaneço fortalecida...
Olho para trás e assimilo as mudanças como gotas necessárias
Como óleo que queima, mas que também abençoa.

Passei a acreditar que tudo e todos têm um porquê
Mesmo que tentada a duvidar, muitas vezes, dos motivos reais
Meu aparente descrédito é interiorizado de certezas a serem aprendidas.

Agora, passo não mais a duvidar de nada
Nesse momento e daqui pra frente, experiencio porque sei que é preciso
Não porque quero daquela ou desta forma,
Mas, porque acima de mim, existe algo superior
E minha visão, pequena e aparente, é e será conduzida por uma essência muito maior que pensava eu possuir.

Quanta pretensão existia...
Quantas certezas afirmava ter...
Tudo aquilo e o resto foram um dia:
Luzes apagadas, portas fechadas, olhares retirados...

Ao invés do ontem
Procuro, hoje, o que antes não tinha ou não queria.
Valorizo a simplicidade à complexidade
Troco as aparentes felicidades passageiras à intensidade
Busco o amor e toda a sua sabedoria...

Sabedoria do ir e vir das ondas do mar
Sabedoria do canto e da dança dos pássaros
Sabedoria que pra uns passa desapercebida
Mas, que para mim, tornou-se muito mais que necessária.

Essa será a busca pela minha sabedoria:
Acender luzes, abrir portas e sorrir com a alma!

Um comentário:

Karine Bighelini disse...

Olá Rinaldo,
Primeiramente, agradeço a postagem de meu texto em teu blog.
A poesia, realmente, nos envenena...Escrever é viver duplamente: reinventamos, reeditamos e reestabelecemos a cada momento uma nova história.
Que a sua seja de glórias, alegrias e de muito sucesso!

Abraços,

Karine Bighelini